Movimento ligado à Fiesp defende candidatura de Skaf ao Planalto

 

Presidente da Federação da Indústrias do Estado de São Paulo é investigado por caixa dois eleitoral

Presidente da Federação da Indústrias do Estado de São Paulo, do Sesi-SP e do Senai-SP, já tentou ser candidato ao governo estadual por duas vezes. É investigado por caixa dois eleitoral após ser citado em delação da Odebrecht. Ele nega as acusações.

Nos últimos meses, empresários de São Paulo têm recebido telefonemas com pedidos de reforço em mobilização para que o presidente da Fiesp (Federação de Indústrias de São Paulo), Paulo Skaf (MDB), seja candidato ao Palácio do Planalto.

As ligações são de um movimento de outros empresários, cerca de 50 pessoas filiadas à própria Fiesp, inclusive membros da diretoria.

Esse grupo acredita que conseguirá, de última hora, alavancar Skaf como o candidato “outsider” que parte da população deseja nas pesquisas de opinião. Atualmente, o emedebista é pré-candidato ao governo de São Paulo, cargo que já disputou outras duas vezes, em 2010 e 2014, e perdeu.

O movimento pró-Skaf, que se reúne toda semana, faz questão de dizer que não responde pela Fiesp. Por insistência, tenta alimentar no emedebista o desejo de tentar concorrer à Presidência e ir de encontro a outros possíveis candidatos do partido, como o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

“Dentro do MDB, quem tem mais votos é o Skaf”, diz o presidente do Sindinstalação, José Silvio Valdissera, em uma comparação com outros pré-candidatos do partido. Cita que Skaf teve 4,5 milhões de votos em 2014 –21% dos votos válidos em São Paulo.

“Ele é muito respeitado pelos empresários. A campanha contra o aumento de impostos foi um sucesso que o Brasil inteiro teve conhecimento. O pato foi inflado em vários estados”, relembrou.

Além do pato inflável, que se tornou um dos símbolos do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), os empresários afirmam que uma das bandeiras que o presidente da Fiesp poderia usar é a luta contra a CMPF. À época, ele organizou um abaixo-assinado pelo fim da contribuição.

O movimento tenta emplacar a ideia de que Skaf é um nome nacional e diz que, em uma das reuniões da federação, ele apresentou pesquisas que apontavam que 3,5% da população reconhece seu nome -isso de forma espontânea, sem haver uma tabela com alternativas apresentada ao entrevistado.

“E olha que ele foi lançado ainda”, anima-se Carlos Trombini, presidente do Sindratar (que representa a indústria de refrigeração).

Procurado, Skaf disse por meio de nota que agradece a manifestação dos amigos, mas que tem como missão “buscar o governo de São Paulo”.

“Além disso, o MDB já lançou à Presidência Henrique Meirelles, que conta com todo o meu apoio”, afirmou.

Com informações da Folhapress.

 

Fonte: Notícias Ao Minuto

Foto: DR

 

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: