Turismo é tema de encontro de países de língua portuguesa na China

 

Colóquio de gestão de turismo, convenções e exposições para os países de língua portuguesas vai até dia 28 em Macau com participação do MTur

18 10 18 Macau Divulgaçao1
Colóquio de gestão de turismo em Macau na China – Foto: Divulgação

O secretariado permanente do Fórum para a Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, incluindo Macau (comunidade autônoma do país asiático), está reunido na ex-colônia portuguesa para discutir a cooperação em turismo, convenções e exposições entre o país asiático e a comunidade lusófona, formada por oito países. O encontro acontece na Universidade da Cidade de Macau.

“A região autônoma de Macau tem sido importante interlocutora da China com os países de língua portuguesa. A indústria do turismo, conferências e exposições pode contribuir para o desenvolvimento das relações e ampliação dos negócios entre a China e os países que falam o idioma português”, destacou Rafael Luisi, chefe da Assessoria Especial de Relações Internacionais do Ministério do Turismo.

Um dos temas discutidos no evento foi a integração de Macau como importante centro de turismo e lazer no sistema turístico da China continental. Daí a vantagem da ilha, ex-colônia portuguesa, para a promoção da cooperação do turismo entre a China e países que também foram colônias de Portugal, como o Brasil, que já é um dos principais parceiros comerciais dos chineses com negócios, inclusive, no turismo.

Além das discussões sobre turismo, acontece, nesta semana, no Centro de Convenções e Exposições Venetian, em Macau, a 23.ª Feira Internacional de Macau e Exposição de Produtos e de Serviços dos Países de Língua Portuguesa. A cidade sedia ainda o WTTC, Asia Leaders Forum e o Fórum de Economia de Turismo Global, ambos com a participação do representante do Ministério do Turismo. Rafael Luisi fará uma apresentação sobre os planos, políticas e a gestão do turismo do Brasil.

Macau – O Centro Histórico de Macau é Patrimônio Mundial da UNESCO. A cidade recebe mais de 30 milhões de turistas por ano e tem nos cassinos integrados com meios de hospedagem e a realização de eventos a principal atividade econômica. A região autônoma é de apenas 30,5 km². Em 12 anos o número de hotéis passou de 39 para 78, dos quais 40 cassinos integrados a resorts. Já os quartos aumentaram de 10 mil para 40 mil, sobretudo em hotéis de 5 estrelas.

Macau tem relação jurídica e financeira diferente da China continental. O turismo de lazer focado nos jogos e serviços agregados, como restaurantes, e o comércio de alto luxo movimentam a cidade. “Os cassinos pagam em imposto 40% por mês e parte da receita bruta vai para a infraestrutura do turismo e segurança social. No período de 7 a 8 meses Macau recebe dos cassinos tudo o que gasta no ano”, ressaltou o representante do Ministério do Turismo. O Brasil também tem proposta de abertura de cassinos integrados com resorts, por meio de projeto em tramitação no Congresso Nacional.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Foto: Divulgação

 

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: