Irã vê eleições no Líbano como “uma vitória para toda a nação”

 

Cerca de 3,6 milhões de eleitores foram chamados a votar nas eleições de domingo, as primeiras desde 2009

Irã, forte aliado do grupo xiita libanês Hezbollah, saudou nesta segunda-feira (7) a realização “com êxito” das eleições parlamentares no Líbano, considerando que é uma “vitória para toda a Nação” do país árabe.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Bahram Qasemi, classificou como “realização épica” as eleições de domingo (6), que, apesar de não existirem resultados, tudo indica que foram ganhas pelo Hezbollah.

Segundo o comunicado do ministério, conseguirem realizar “eleições pacíficas no meio da atual situação caótica na região é uma grande conquista democrática para todo o povo do Líbano”.

Segundo os resultados não oficiais divulgados pela mídia local, já que os resultados oficiais ainda não foram anunciados, o Hezbollah, aliado do Irã e da Síria, será o partido com mais assentos no parlamento, de 128 deputados (64 cristãos e 64 muçulmanos).

A Corrente do Futuro, de Hariri e aliada da Arábia Saudita, que até agora tinha o maior grupo parlamentar, poderia perder alguns dos assentos em Beirute e Trípoli, as duas cidades mais importantes do país.

Em Beirute, ainda segundo os meios de comunicação, dois assentos parlamentares teriam sido conquistados por duas mulheres pertencentes à coligação de partidos independentes e laicos Kuluna Watani (Todos pela Pátria), o que seria visto como um triunfo da sociedade civil.

Cerca de 3,6 milhões de eleitores foram chamados a votar nas eleições de domingo, as primeiras desde 2009.

O mandato dos deputados deveria ter terminado em 2013, tendo sido aprovadas várias extensões do mesmo, evocando-se questões de segurança relacionadas com a guerra na vizinha Síria.

O sistema político libanês distribui o poder entre as diferentes comunidades religiosas do país e os principais partidos são liderados por dinastias políticas.

Os libaneses escolheram entre 583 candidatos, distribuídos por 77 listas, os ocupantes dos 128 lugares no parlamento (que deve ter igual número de cristãos e muçulmanos) e de acordo com a legislação aprovada em 2017, que reduziu o número de circunscrições e introduziu o escrutínio proporcional. Com informações da Lusa.

 

Fonte: Notícias Ao Minuto

Foto: DR

 

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: